Inspire-se

Dançando depois dos 30 anos

Quando era criança a época que eu mais aguardava no ano era o mês do meu aniversário, agora esse é o mês que mais me desespera, principalmente depois que completei 29 anos.

O fato é que esse tal  mês   passou a ser de profunda reflexão interior. Não é de caso pensado mas toda vez que maio chega traz naturalmente  consigo uma voz que dispara dentro de mim  dizendo : O tempo passou e você não viu!

Bate aquela angústia misturada com uma urgência na alma  que ao mesmo tempo que nos apressa a fazer determinadas coisas, pode também nos estagnar completamente.

Quando se trata da prática da Dança do Ventre todo esse novo turbilhão de emoções vem a tona, nos fazendo ouvir  as vozes da tal angústia e urgência ecoando as seguintes afirmações dentro de nós:

Preciso aprender o mais rápido possível , ou no pior dos casos, já não tenho mais idade para isso.

Tem mulheres que encaram essa transição numa boa, mas, para outras  essa é uma fase avassaladora, o que é perfeitamente compreensível,uma vez que, chegar aos 30, 40, 50 anos muitas vezes é como ser uma idosa pelos padrões da sociedade e principalmente para o público masculino, sendo que  na realidade estamos a pleno vapor.

Somando-se a tudo isso ainda tem o espelho denunciando algumas marcas do tempo e você aos poucos vai sentindo as mudanças na pele, nos cabelos, no metabolismo, sem contar, quando a menopausa chega apontando para uma verdadeira avalanche de mudanças.

Embora a intensidade das mudanças vindas depois dos 30 anos e com o avançar da idade variem de mulher para mulher elas estão lá mostrando a passagem do tempo e precisamos aprender a lidar com isso de maneira positiva o quanto antes.

Precisamos aprender a encarar da melhor forma possível a inevitável passagem do tempo, cuidando ainda mais não só do físico mas também do psicológico e emocional para que o avançar da nossa idade não seja uma sentença de vida depressiva.

Tem mulheres que dependendo do  psicológico desencadeiam um processo de autodestruição e aniquilação dos próprios sonhos e metas, entregando-se a pensamento de inferioridade e incapacidade devido o avançar da idade ,e algumas sem nem ao menos estarem na casa dos 50 anos.

Para as mais despreparadas basta um fio de cabelo branco para o mundo desmoronar. No meu caso em particular a paranoia estava ficando tão extrema que mesmo sem  ter ainda sinais de cabelos brancos, ou rugas eu  já estava  preenchendo meu coração e minha mente com sentimentos negativos e incapacitantes.

Martirizando todo meu ser aos 30 anos sentindo-me com 100,tudo por dar ouvidos as cobranças externas e internas muitas vezes vindas das minhas  reflexões auto destrutivas.

Foi então que resolvi me libertar desse auto bloqueio e avaliar qual o real impacto da maturidade em minha história, e apesar de todas frustrações, neuroses e inseguranças passei a focar  em atitudes positivas em relação a essa nova fase da minha vida.

Passei a não mais me enxergar como uma mulher derrotada pelo tempo, mas como uma mulher vitoriosa, afinal, quantas não tiveram e não terão a oportunidade de chegar ou passar dos trinta e eu estou aqui viva e até o momento com saúde.

Avaliando as coisas por essa perspectiva tenho mais é que agradecer e ir em frente sem me proibir de coisas que me encantam, que deixam meu coração feliz, que mantém as chamas dos meus sonhos acesas e me motivam a cada dia me redescobrir e de quebra ainda contribuem com minha saúde e felicidade.

Uma dessas coisas com certeza é a Dança do Ventre  que passou a ser uma aliada e tanto para mim principalmente nessa iniciação da vida realmente adulta, em que a chegada dos 30 anos foi  uma fase de fato reflexiva  onde incrivelmente comecei a me levar mais a sério.

Por isso, essa é a dica que dou a você pratique dança do ventre isso vai fazer um bem enorme a você. E vá sem medo  da sua idade, ou do seu tipo de corpo.

SIM, VOCÊ PODE DANÇAR, SÓ NÃO DANÇA SE NÃO QUISER! A   Dança do Ventre é perfeita não exige que você tenha 15 aninhos,  corpo e resistência de uma atleta  para praticar.

Assim, vamos tratar de eliminar mesmo  as neuroses ou padrões impostos seja lá por quem for dessa nossa cabecinha de 30,40,50 ou mais, VAMOS PARAR DE NOS BLOQUEAR, VAMOS VIVER, VAMOS DANÇAR!

Vamos agarrar  essa arte linda  feita para a saúde da mulher em todas as idades,vamos nos permitir a felicidade como uma atividade prazerosa que pode nos trazer inúmeros benefícios não só para saúde física, mas também emocional.

“Não é a idade, não são os músculos, não são os ossos que nos impedem( .. .). Por mais duros que estejam nossos músculos, nunca serão tão duros quanto nossas convicções, ideias e preconceitos em relação a nós mesmos. LIBERTE-SE!
——>Thérèse Bertherat

E tem mais, se você prestar bem atenção verá  que maioria das dançarinas do ventre não começam nessa arte  como crianças ou até mesmo adolescentes, a maioria começa em seu 20s, 30s, 40s , ou seja, sua idade não é desculpa para não começar ou não permanecer na arte.

É também muito comum ver dançarinas do ventre em seus 40s, 50s, 60s dando aulas regularmente e muitas vezes dando um show nas “novinhas”ou se apresentando nos eventos da área.

Só é preciso ter em mente que  em alguns casos depois dos 30 mais precisamente na fase dos 40,  50 em diante  o corpo vai começar a demonstrar os primeiros sinais de diferença  em relação as outras mulheres  mais jovens da sua sala de aula, e talvez a sua maneira de aprender se torne mais personalizada, mas, o importante é respeitar os próprios limites e  não NÃO SE COMPARAR COM NINGUÉM.

NÃO DEIXE   O DEMÔNIO DA BAIXA AUTO ESTIMA LHE ABATER e se possível busque  uma escola séria que respeite a mulher em sua plenitude independente da idade que ela tenha.

É importante para toda mulher mediante a tantas dificuldades dessa vida munir-se de ferramentas que propiciem o bem estar que elevem a motivação para cuidar  ainda mais da saúde, da beleza, da alimentação e da sociabilização com outras mulheres, e é ai que a  Dança do Ventre entra  a seu favor te ajudando a manter-se em movimento,exercitando seu corpo, afagando sua alma.

Acredite enquanto há vida há combustível pra gastar e  depois dos 30 é que se tem mais sabedoria para gasta-lo com o que realmente nos faz feliz. Não encare a chegada dos 30 ou mais como o fim, mas como um recomeço onde agora mais do que nunca É HORA DE CUIDAR-SE E  NÃO DE ABANDONAR-SE!

Abaixo deixo algumas performances de mulheres maduras que optaram por ser feliz. Beijos e até os próximos posts.


16 comments

  1. Suzy Nobre 1 março, 2017 at 21:49 Responder

    Tenho 51 anos e há 1 semana voltei para a Dança do Ventre! Já havia feito aula há uns 15 anos atrás, mas por pouco tempo, apenas alguns meses. Parei porque tinha uma vida corrida, mas agora voltei e pretendo dar continuidade, pois é uma forma de expressão artística maravilhosa!

  2. Mila Vieira 29 junho, 2016 at 22:29 Responder

    Adorei o post! Você não deve deixar de fazer nada por se sentir muito velho, ou achar que “já passou do tempo” para isso né? Bem motivacional!

  3. Simone Benvindo 29 junho, 2016 at 07:37 Responder

    Estou com 25 e só de pensar que farei 26 já penso no que deixei escapar pelas mãos e no que eu poderia ter feito. Gostei muito de ler tua experiência. Me fortaleceu. Beijos
    Charme-se

  4. Tatiana Castro 28 junho, 2016 at 22:57 Responder

    Olá!
    Esse post é muito importante! Cansei de ouvir pessoas dizendo, “Se tivesse 20 eu iria fazer isso”… tanto em relação a dança, quanto estudos e até viagens.
    Beijos!
    Gatita&Cia.

  5. Karoline Krahl 28 junho, 2016 at 18:53 Responder

    Acho que não existe idade pra dançar, pra ser feliz e pra se amar (que é o que eu vejo que isso proporciona pras mulheres que fazem). Sempre tive vontade de aprender, qualquer dança na verdade, mas por falta de tempo eu acabei ficando só com o teatro e com a escrita (que são minhas paixões)

  6. Liz Vilas Boas 28 junho, 2016 at 18:15 Responder

    Acho que não tem idade pra dançar (e nem pra fazer nada), a dança do ventre é tão linda, e usa a sensualidade da mulher de uma forma diferente das outras… Quando era mais nova aprendi alguns passos e achei o máximo. Queria ter animo pra voltar… hahaha

    http://www.herflordeliz.com

  7. Miriam Ferreira da Silva 26 novembro, 2015 at 21:20 Responder

    Comecei a ter aulas aos 45 anos de idade durante dois anos e depois por questões de mudança de endereço e profissão acabei tendo q parar por alguns anos, mas sempre ouvindo música árabe e dançando em casa. Retornei aos 50 anos. Quando retornei, o fiz com toda a voracidade de recuperar o tempo de aprendizagem, fazendo aulas diárias e treinos intensivos em casa à noite e aos finais de semana. Já fiz apresentações solos e agora estou me preparando para os festivais. Tudo bem que meu biótipo me ajuda, pois sou tipo mignon e as pessoas em geral me dão, incrivelmente, como tendo entre 35 e 38 anos. Mas de qualquer forma não sinto diferença na dança e me sinto muito bem. Fiz questãod e dar esse depoimento para mostrar a outras mulheres que é possível sim! Se tem paixão e dedicação, nossa, a dança se torna belíssima independentemente da idade!!!

  8. Maria Helena Daniel 20 novembro, 2015 at 00:21 Responder

    Tenho 63 anos de idade e comecei a dança do ventre aos 54 anos , ainda me apresento em shows e até em Restaurante Árabe e sou muito feliz comigo mesma desde que aprendi essa arteé o meu feminino desabrochando a cada dança…bjs no coração

  9. Andrea Martins Masson 19 novembro, 2015 at 13:29 Responder

    A dança do ventre e um sonho que tenho a muito tempo. Hoje faz um mês que comecei e não penso em desistir vou treinar,estudar e praticar.
    A dança hoje faz parte da minha vida!!!

Leave a reply