Aprenda a dançar

Aprenda a fazer 3 Giros Lindos para Sua Dança do Ventre

Imagine uma dança sem a existência de giros? Conseguiu?! Complicado não é mesmo?

Acredite, esses movimentos são bem mais que simples rodopios, são elementos incríveis capazes de enriquecer qualquer performance não importa a modalidade.

Assim, os giros são executado em diferentes níveis de velocidades e aplicados nos mais diversos contextos coreográficos.

Logo, são também utilizados de infinitas maneiras, como por exemplo:

para deslocamentos, emenda de movimentos, chamadas de finalizações e até mesmo para criar  efeitos visuais impressionantes.

Sem contar que os movimentos de giro são também frequentemente combinados com uso de instrumentos e acessórios como véu, espada, candelabro, taças e etc  conferindo graça e beleza com um toque de desafio técnico surpreendente.

Assim, se você tiver um bom repertório de giros que te ofereça uma arsenal de possibilidades criativas com certeza você terá maiores chances de criar coreografias extremamente dinâmicas e altamente inspiráveis.

Por essas e outras se eu fosse você não deixava de ler esse artigo até o fim, afinal, aqui você vai encontrar três tipos de giros que estou aprendendo e treinando recentemente, mas que posso garantir que vão abrilhantar ainda mais seu repertório de movimentos.

Quais são esses três tipos de giros lindos para sua dança do ventre?

Dentre uma infinidade de giros selecionamos três maravilhas  super versáteis que ampliam consideravelmente a sua percepção espacial, assim, como propiciam uma serie de variações de acordo com a criatividade de cada um.

Mas antes de falar quais são os giros, é importante saber que se você for iniciante precisa passar por um processo de adaptação, pois devido a falta de costume com o movimento, ao treina-lo ou executa-lo principalmente em padrão contínuo pode ocorrer tonturas ou dores de cabeça.

Como Girar sem ficar tonta?

Para girar sem ficar tonta precisamos basicamente de 2 elementos: Equilíbrio e Direção Focal.

Sem equilibrar o corpo você não vai muito longe então, mantenha seu corpo estabilizado e com o peso centralizado.

Mas saiba que mesmo que você tenha um excelente equilíbrio e gire sem problemas ainda correrá o risco de ficar tonta por causa da falta de direção focal.

Explicando de uma maneira popular para que todos possam entender, isto ocorre, porque nossos olhos ficam abandonados, sem direção no momento do giro estejam eles fechados ou abertos. Assim nosso sistema ocular fica confuso na hora de enviar informações ao cérebro o que nos deixa tontos.

Sabendo disso, como podemos treinar giros da maneira correta?

Marcação escolhendo um ponto focal fixo– Faça uma marcação com a cabeça escolhendo um ponto focal,ou seja, fixando o olhar em algo em determinado momento do giro (tem exemplo no segundo vídeo no fim deste post).

Fase de adaptação- Você pode começar com cinco giros contínuos (sem parar) girando vagarosamente. Após isso  faça uma  pausa de 4 minutos e depois realize os cinco giros novamente.

Repita esse 5 giros e uma sequencia de três na primeira semana de treino , depois a medida que for habituando  vá aumentando a quantidade de giros e diminuindo os minutos de pausa.

ATENÇÃO: se você possui algum problema auditivo ou em termos mais científicos problemas no aparelho vestibular não é indicado treinos de giros sequenciais, converse com sua professora antes de treinar já que nesse caso o equilíbrio do seu corpo pode não responder como deve.

A alimentação também conta se treinar com fome você corre o risco de estar com a glicose baixa o que também contribui para tonteira mesmo que você seja expert em rodopiar.

Agora vamos ao que realmente interessa os famosos giros.

A- GIRO SUFI

Este giro funciona como base para diversas combinações e variações que vão se diferenciar de acordo com o posicionamento dos braços. O rodopio recebe esse nome por lembrar a dança árabe Sufi.

Vale ressaltar que a técnica aplicada aqui é diferente da dança sufi tradicional, o nome é apenas uma homenagem que se dá por questões didáticas e pelo fato do aspecto visual e ritmo ao qual muitas vezes é inserido remeter visualmente  a essa modalidade.

B- GIRO HELICÓPTERO

Eu conheço esse giro pelo nome de Giro Hélice devido aos posicionamento verticalizado dos braços que ao girar continuamente  dão a impressão visual de uma  hélice de avião pela visão frontal.

Como maioria conhece-o como helicóptero vamos chama-lo assim.

Esse é o giro xodó da maioria  das bailarinas devido a beleza e versatilidade e com certeza vale a pena estudar, treinar e ficar afiada nele.

No vídeo abaixo eu exemplifico como estou treinando, confesso que foi o mais difícil ate agora, faz duas semana que estou pegada nele e na frente da câmera é que o nervoso bate mesmo e a hélice engata (rsrsrs), mas, da pra conferir e ter uma ideia de treino que pode te ajudar também, clica no play aí:

C- GIRO RASANTE

Esse também é lindo e eu amo de paixão, pode ser feito em diversos níveis de altura e amplitude  mas vou tratar aqui do que tem efeito rasante ou rasteiro onde uma das pernas se mantém esticada e faz um compasso ao redor de você de modo que a perna de apoio semi flexiona. Para entender melhor veja o vídeo abaixo:

Por hoje é só, espero do fundo do coração que este post possa auxiliar você em seus treinos, no mais, deixe seu comentário abaixo,porque  sua opinião, dicas e sugestões são preciosidades muito bem vindas, afinal, o objetivo aqui é trocar conhecimento e compartilhar experiências bellymaníacas.

Forte abraços até a próxima habibes e habibas!!!

Leave a reply