Aprenda a dançar

Queda Turca Dicas para Treinos

Você  sonha em fazer a tão famosa queda turca mas morre de medo de se estabanar no chão desastrosamente?

Então, bem vindo ao clube!

Acredite, a maioria de nós tem medo, mas no fundo a gente sabe que para tudo que parece impossível nessa arte existe uma técnica que nos torna capaz de realizar as mais mirabolantes proezas.

Por isso, eu te convido a continuar lendo essa postagem até o fim pois hoje faremos um espetacular  passeio rumo aos conhecimentos dessas quedas na dança do ventre que não são nada acidentais, muito pelo contrário, fazem parte do contexto performático causando verdadeiros impactos coreográficos que levam o publico ao delírio.

Logo, você vai aprender um pouco mais não só sobre a desafiadora queda turca mas também sobre QUEDA PERSA e  QUEDA EGÍPCIA.

Como é meio complicado explicar somente em texto elaboramos um video para ilustrar melhor esse post que vai explicar também  a diferença entre essas quedas, além de dar dicas pessoais de treinos técnicos para conseguir executar a queda turca. Clique no Play e quedaaaaaaaaaa!

Agora vamos as Duvidas Frequentes sobre Quedas Turca

Qual a diferença entre esses três tipos de quedas?

Embora sejam semelhantes esses três tipos de quedas possuem alguns detalhes técnicos que as diferenciam,  como por exemplo, o posicionamento dos pés e das pernas  nas finalizações, ou seja, quando as costas aterrissam no solo. (veja o vídeo acima exemplificando).

Esses tipos de quedas podem ser executadas em diversas velocidades, dependendo das modalidades em que são aplicados, a queda turca e persa por exemplo são mais comumente usadas com velocidade evidenciando momentos impactantes da música, mas também  podem ser lentas quando se faz uso de instrumentos como espada ou bastões.

A queda egípcia  embora geralmente seja a mais lenta de todas  já que não finaliza totalmente e o corpo precisa voltar a posição inicial, também pode ter varias velocidades dependendo da habilidade da bailarina (o).

Em que momento se usa a queda turca na coreografia ?

A queda turca é mais comumente utilizada para finalizar  a performance, mas, não existe regras rígidas quanto a isso. Quem vai escolher a hora ideal é a bailarina tomando sempre o cuidado de estar coerente com o momento da música, em outras palavras, tem que estar em harmonia com o que a musica pede.

O que é preciso  para aprender a queda turca?

Existem vários tipos de quedas e diferentes maneiras de executar. Em se tratando especificamente de queda turca você precisa saber quais são as técnicas específicas e modos de treinos utilizados para fazer o movimento com segurança.

É importante saber também que o mesmo tipo de queda possuem as mais diversas técnicas podendo estas variar de professora para professora já que cada uma tem a sua própria maneira de fazer e ensinar.

Por ser um movimento complexo você vai precisar de elevado grau de flexibilidade e força obtendo a consciência corporal necessária para realizar este movimentos por vezes brusco e com alto teor de agilidade de forma leve.

Quanto tempo demora para aprender a queda turca?

De maneira geral para executar este movimento você vai precisar adaptar seu corpo aos poucos começando por exercícios de flexibilidade em um processo que pode levar tempo dependendo dos limites do seu corpo e da metologia de treino aplicada.

Eu por exemplo, demorei 6 meses para conseguir executar a queda turca  seguindo um bloco de treino pessoal (postei no vídeo acima) sendo que eu treinava 2 vezes por semana, mas, esse tempo na verdade varia de pessoa para pessoa já que  a adaptação  pode ser demorada ou rápida uma vez  que cada corpo responde de forma diferente em níveis  de flexibilidade, equilíbrio e força exigidas para este movimento.

Que cuidados preciso ter para fazer a queda turca?

Tenha sempre em mente que a queda turca possui elevado grau de dificuldade não sendo indicado para iniciantes. 

É indispensável o acompanhamento de um profissional capacitado para montar seu treino, corrigir e avaliar as técnicas  aplicadas observado sempre a dinâmica do seu corpo,evitando assim, lesões perigosas.

Procure proteger com joelheiras acolchoadas a região dos joelhos já que as aterrissagens podem causar impactos ainda que leves nessa região no processo de adaptação.

Treine sobre uma superfície macia (tapete anti derrapante ) para diminuir o atrito nos movimentos de rotação e repouso dos pés.

Comece treinando cada etapa do movimento de maneira lenta e vá aumentado a velocidade a medida que for adquirindo intimidade com o movimento e  até mesmo segurança física e psicológica para executar.

Não tenha pressa em executar o movimento! Respeite os limites do seu corpo, afinal, aprender com assertividade e de maneira segura leva tempo exigindo estudo, treino e dedicação obstinada. O importante não é quando chegar lá, mas chegar com segurança e de maneira correta.

Por hoje é só vou ficando por aqui, espero que esse post possa ser útil para os seus estudos, lembrando que, são apenas dicas! Assista o vídeo apenas para ter uma ideia de como o movimento ocorre, mas, NÃO TENTE EXECUTAR ESSAS TÉCNICAS SEM ANTES CONSULTAR SUA PROFESSORA e nunca esqueça de alongar antes de cada treino.  forte abraço e até a próxima aventura.

Créditos- Foto no topo—-> Daliya Dance Rostov

  • Karina Miyazaki

    Eu melhorei muito meu Dinamarquês de casa, professores via skype, é um curso pela internet. Pra quem estiver interessado: https://preply.com/pt/skype/professores–dinamarquesa

  • Mirna Teixeira

    Adorei as explicações sobre as quedas, poderia ter ilustrado mais algumas